Retorno

Retorno

Nenhum comentário em Retorno

Abro a porta.
Volto o olhar ao jardim.
Espio…
A penumbra intimida
A poeira intacta sobre o assoalho
denuncia a ausência de vida.
A mudança levou tudo…
Os sonhos, a esperança, a alma…
Saiu sozinha…
E não voltou.
A solidão, habitante da construção,
recebe-me como visita.
Entro trêmula…
Busco vestígios, lembranças, objetos…
Encontro fantasmas esquecidos.
Não devia ter voltado

Sobre o autor:

Artigos relacionados

Deixe um comentário

Você deve estar logado para postar um comentário.

Selecione o período

Back to Top